Lia Drumond

É só um blog…

Pessoa-coelho

leave a comment »

Tudo ainda estava embaixo dos panos, as autoridades ainda conseguiam abafar o caso e a grande imprensa tinha concordado em não fazer um escarcéu sobre o misterioso caso das pessoas que estavam se transformando em pessoas-coelho. Apenas um caso tinha vazado, mas a imprensa o tratou como “apenas uma aberração genética”, e pouca gente se interessou pelo assunto, menos Ekile. Sua irmã tinha se tranformado num ser pra lá de estranho, as orelhas tinham migrado pro topo da cabeça e crescido em comprimento e pêlos; os olhos ficaram vermelhos e o corpo tinha uma pele branca, peluda e macia. Ainda andava sobre duas pernas, mas até um rabinho pom-pom tinha nascido na bunda da coitada. Ele viu a “aberração genética” na TV e percebeu que aquilo não era comum. O homem-coelho da TV não nasceu daquele jeito, e tinha dito que a transformação aconteceu em semanas, sem que os médicos soubessem do que se tratava, sem que pudesse evitar ou explicar. Assim como a irmã de Ekile, ele virou um ser que adora cenoura e, mesmo andando como gente, adora dar uns pulinhos durante a caminhada.

Ekile queria descobrir o que aconteceu, pegou sua irmã e pegaram a estrada, foram atrás do homem-coelho.  Eles imaginavam que duas pessoas-coelho poderiam conseguir mais atenção dos médicos e autoridades, que não se tratava de um caso isolado e, talvez, houvesse mais pessoas-coelho. A irmã de Ekile até saiu um pouco da pertubadora apatia que a assolava desde que se transformara em mulher-coelho, finalmente não seria a única pessoa-coelho que existia. O tal homem-coelho não morava tão longe, logo chegaram em sua cidade. Ekile não precisou perguntar muito, todos conheciam o homem-coelho da TV, ficou famoso na cidade onde a maioria o temia por não compreender a mutação. Na casa do homem-coelho, Ekile soou a campainha. Quem atendeu foi o próprio homem-coelho. E ele nem olhou pra Ekile, apenas pra sua irmã, uma mulher-coelho. E ela também o olhou de uma maneira lasciva, estava no cio da coelha. Entraram na casa do homem-coelho, deixando Ekile do lado de fora. Qualquer problema em ser uma pessoa-coelho ficaria pra depois…

Written by Lia Drumond

junho 16, 2008 às 10:18

Publicado em Contos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: